(SP) Carro de escolta capota após assalto em rodovia de SP

Um Fiat Uno de uma empresa de segurança que realizava a escolta de um caminhão com componentes eletrônicos da empresa Dell capotou após uma tentativa de assalto no km 94 da rodovia dos Bandeirantes, altura de Campinas (99 km de São Paulo) por volta das 21h30 de sexta-feira. Dois ocupantes do carro ficaram levemente feridos.

De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual, os assaltantes se dirigiram primeiro ao veículo de escolta e disparam tiros contra ele. Um ocupante foi acertado de raspão no rosto, enquanto que o motorista foi atingido na perna e perdeu o controle do veículo, que capotou no acostamento.

O caminhão da Dell seguiu viagem e pediu apoio da polícia, que socorreu os seguranças e os encaminharam para atendimento médico em Campinas. Ninguém foi preso e os assaltantes não conseguiram alcançar o veículo de carga para completar o roubo

FONTE: NOTICIAS TERRA

>(SP) RMC registra 1,35 roubo de carga por dia

>

A Rodovia Anhanguera é uma das estradas com maior perigo para os motoristas que transportam cargas.

Pelo menos um roubo de carga é registrado por dia na RMC (Região Metropolitana de Campinas). Segundo dados da SSP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo), de janeiro a maio deste ano foram registrados 204 assaltos a transportadores de mercadorias nas 19 cidades que compõem a RMC – uma média de 1,35 roubo por dia.
Os números já representam um aumento nas ocorrências com relação a 2010.

Segundo estatísticas da SSP, em todo o ano passado foram registrados nas 90 cidades que compõem os Deinters (Departamentos de Polícia Judiciária de São Paulo Interior) 2 e 9, que integram as cidades da RMC, 551 roubos de carga – a secretaria começou a disponibilizar os números por cidade apenas neste ano. A média foi, nas 90 cidades, de 1,5 assalto a transportadores de mercadorias por dia.

Segundo estimativa do Sindicamp (Sindicato dos Transportadores de Cargas e Logística de Campinas e Região), os números devem ser maiores este ano, porque o maior volume de carga é transportado no último trimestre do ano, em virtude das datas comemorativas como Dia das Crianças e Natal.

Campinas, Sumaré e Hortolândia são as cidades que lideram o ranking dos roubos de carga. Por causa do Aeroporto de Viracopos, Campinas concentra mais da metade das ocorrências – 105.

Em Sumaré, foram contabilizados 35 assaltos e em Hortolândia, 19. Em quatro municípios, até maio não havia sido registrado nenhum roubo de carga: Engenheiro Coelho, Holambra, Santa Bárbara d’Oeste e Santo Antônio de Posse.

As cargas mais visadas, segundo estatísticas estaduais, são as de produtos alimentícios, eletroeletrônicos e cargas fracionadas, respectivamente.

PREVENÇÃO
Por conta do aumento de roubo de cargas na região, as transportadoras estão buscando diferentes formas de prevenção. Os caminhões geralmente possuem rastreadores, mas eles acabam sendo danificados pelos assaltantes, dificultando a recuperação dos produtos roubados.

A precaução que as empresas têm tomado é contratar escolta armada. Segundo o SindForte-Campinas (Sindicato dos Trabalhadores em Serviços de Carro Forte, Guarda, Transporte de Valores, Escolta Armada, seus anexos e afins de Campinas e Região), as empresas que oferecem este serviço na região já registraram aumento de 5% a 8% de contratos no primeiro semestre deste ano.

O 4º BPRv (Batalhão de Polícia Rodoviária), responsável pela segurança rodoviária nas cidades da RMC, também planejou operações para coibir o roubo de cargas e caminhões nas rodovias que cortam a região. Neste mês, 30% de todo o efetivo está sendo deslocado para os locais com maior incidência destes crimes.

“Nosso serviço de inteligência fez este levantamento e este mês colocamos a operação em prática. Em uma semana, ainda não registramos um roubo de carga”, disse o capitão Ricardo Roberto Tofanelli, responsável pela 3ª Companhia do batalhão.

FONTE: REDE FOLHA DE NOTICIAS

>(RJ) Carteiros motorizados ameaçam greve por falta de segurança

>

Rio – Carteiros motorizados dos Correios ameaçam cruzar os braços a partir desta sexta-feira, caso o Centro de Entregas de Encomendas (CEE) de Niterói não aumente o número de escoltas armadas de dois para 11 por causa dos constantes roubos de carga.

Os trabalhadores entregam encomendas em Niterói, São Gonçalo e parte dos municípios da Região dos Lagos.  Nos últimos 12 meses, um entregador denunciou que foi assaltado 26 vezes.

O CEE utiliza vans e motos para fazer a entrega de encomendas, documentos e mercadorias, feitas através dos serviços de remessa dos Correios, como o Sedex. O secretário-geral do Sintec, Ronaldo Martins, disse que muitos carteiros sofrem sequestros-relâmpagos. “Muitos foram roubados em São Gonçalo e liberados no Rio.

Isso traz problemas psicológicos graves. Já tem gente pensando em pedir afastamento do serviço”, explicou.

De acordo com o sindicalista, houve um aumento do número de ocorrências nos últimos quatro meses. No CCE trabalham cerca de 70 carteiros que realizam o serviço de entrega em vans e motos. Segundo o levantamento do sindicato, 90% dos ataques são feitos por assaltantes em motos no município de São Gonçalo.

FONTE: O DIA ONLINE

>(PR, SC) Empresas de turismo investem em escolta armada

>

A cena está ficando corriqueira nas estradas, principalmente depois que começou uma onda de assaltos à ônibus de turistas de compras

Ônibus viajando com escoltar armada. A cena está ficando corriqueira nas estradas, principalmente depois que começou uma onda de assaltos à ônibus de turistas de  compras, como o que ocorreu na segunda-feira (27), quando um ônibus de sacoleiros de Joinville foi assaltado na subida da Serra, na BR-376, no Paraná.

O ônibus foi rendido por oito pessoas. Os passageiros foram obrigados a tirar a roupa e depois trancados no bagageiro. A polícia não tem uma estatística oficial do número de casos, mas o medo é grande entre donos de empresa de turismo, passageiros e motoristas.

Para garantir a segurança, as empresas estão investindo em escolta armada e no monitoramento por satélite dos ônibus. Investimento que tem aumentado em torno de 20% o custo das viagens. “Uma escolta custa em torno de R$ 1 mil por mês e não repasso o custo total para os passageiros”, disse Wilsimar Rocha, dono da Excursões do Mano, que realiza viagens de compras para São Paulo e Paraguai duas vezes por semana.

Mano, como é conhecido, contou que está viajando com escolta há um mês. “Fiquei preocupado depois que houve assaltos na Serra para Curitiba (BR-376) e foram assaltos com violência. Claro que a escolta não vai impedir os assaltos, mas inibe a ação dos bandidos”, acredita o empresário.

Mesmo com a vigilância, o comerciante Gilson Rosa, 40 anos, disse que viaja preocupado. “A gente vai e volta bem inseguro. Depois que passa o pedágio de Garuva (na BR-101) o coração fica apertado. Com a escolta fico um pouco mais tranquilo, mas está muito perigoso viajar pelas estradas”, afirmou.

O motorista Rodrigo Tiago da Rocha, 32 anos, afirma que estar escoltado deixa a viagem mais tranquila. No entanto, ele se preocupa que outras viagens da empresa possam ficar visadas pelos ladrões. “Só os nossos ônibus para compras vão com escolta, os de excursões não. A nossa preocupação é que os ladrões confundam os dois e passem a atacar os de excursões”, disse.

Os lojistas que vão fazer comprar na região Sudeste estão exigindo que as empresas invistam em mais segurança. A Pape Turismo teve que contratar o serviço de escolta armada para manter os clientes.  “Tem lojista que só viaja conosco se tivermos escolta. É um custo alto. Apesar de absorvermos o maior valor, ainda assim as viagens estão saindo uns R$ 30 mais caro por passageiro”, explicou Nicéia Souza Sartori, proprietária da Pape Turismo.

Além dos vigilantes, a empresa também adota medidas de prevenção como só aceitar passageiros indicados por clientes antigos, não param para lanche ou jantar, não pegam passageiros no caminho e às vezes muda o horário e o roteiro das viagens.

Olhos atentos

Os motoristas da Richter Turismo, umas das principais empresas de fretamento de Joinville, são orientados a seguirem os ônibus de linha, ficarem atentos a qualquer movimentação estranha na estrada e, em caso suspeito, acionarem a polícia. “Os nossos motoristas estão viajando preocupados”, afirmou Ricardo Richter, dono da Richter Turismo.

A dona da Happy Tur, Jane Niehues, abriu mão das viagens de compras em nome da segurança. “Não faço mais viagens para Foz do Iguaçu porque é muito perigoso. Também fechei parceria com uma empresa de Araranguá, no Sul do Estado, que tem ônibus monitorados por satélite. Outra medida foi sair de Joinville durante o dia para pegar mais movimento na rodovia”, contou Jane.

Ela também costuma encaminhar oficio à PRF/PR (Polícia Rodoviária Federal) solicitando escolta, em um trecho de 20 quilômetros, quando passam por Curitiba. Como ela organiza apenas cinco ou seis excursões por mês, contratar o serviço de escolta fica muito caro. “Hoje 46% das nossas viagens são via aérea por uma questão de preço, segurança e agilidade. Se tivermos que colocar escolta nos pacotes terrestres o preço ficaria igual ao aéreo. Impraticável”, disse.

Segmento em crescimento

De acordo com coordenador de operações da Mazari Vigilância e Segurança, Luiz Fernando Medeiros, a escolta rodoviária já representa 30% do faturamento da empresa.

“Ano passado não havia nenhum ônibus escoltado. Este ano, 95% dos ônibus saem com escolta, principalmente os que vão para São Paulo e Foz do Iguaçu”, comentou o coordenador. Para atender a demanda, a Mazari aumentou em 10% o seu efetivo e em 5% a frota rodoviária. “É um segmento que está crescendo por causa dos assaltos”, disse.

A polícia não tem estatística do número de assalto à ônibus ocorridos. Na delegacia de São José dos Pinhais (PR) foram registrados três casos entre fevereiro e junho. Segundo informações da PRF/PR podem ter sido dez casos e o serviço de contra-inteligência da Mazari aponta 22 assaltos em Santa Catarina e no Paraná.

FONTE:ND JOINVILLE

>(GO) 16ª CIPM – Apreensão de carreta, carga roubada e prisão de 12 homens

>

Durante patrulhamento pelo Jardim Tropical, área da  16ª CIPM, a viatura  2735 composta pelos soldados Maia e Ferraz recebeu a  informação de que o sinal de rastreamento de uma carreta carregada  com  eletroeletrônicos da marca sony havia sido extraviada da rota e o sinal havia sido perdido nas proximidades da GO-040.
Os policiais então começaram o patrulhamento buscando qualquer veículo com as características repassadas. Logo em seguida  tiveram contato com a viatura da escolta armada do grupo  Fiel Vigilância. A equipe estava  à procura do mesmo veículo.

Neste momento a equipe  constatou uma movimentação nas proximidades do galpão situado à Av. Lago das Garças Qd. 27 Lts 36/38. A dupla percebeu que um dos homens presentes no galpão tentou fugir e então  decidiram proceder uma abordagem.

Como perceberam que estavam em inferioridade numérica, solicitaram apoio via rádio. No momento da solicitação do apoio, o COPOM, as viaturas de área e o Capitão Supervisão copiavam claramente  o rádio da viatura 2735, porém os membros  da viatura não recebiam retorno no rádio em virtude de um bloqueador de sinal que estava operando dentro do galpão.

Durante  alguns minutos a equipe solicitou desesperadamente por apoio, até que houve a necessidade do enfrentamento com a suposta quadrilha.

No local foi encontrada a carreta produto de roubo (placa NST – 0358 São José dos Campos – SP) e doze homens trabalhando na descarga da mercadoria e carregamento de outro caminhão menor.

Instantes depois da solicitação de apoio a viatura da supervisão do 2º CRPM composta pelo capitão Gerson e o soldado Rocha, bem como a viatura do serviço remunerado da 16ª CIPM 2829 composta pelos soldados Batista e Nogueira chegaram ao local e ajudaram na prisão.

Ficou esclarecido que o local já vinha sendo utilizado há algum tempo para a redistribuição de mercadorias roubadas.

Os meliantes possuíam equipamento para rompimento de lacres, possuíam aparelhos de comunicação Nextel, toda uma estrutura para o bloqueio do sinal de rastreamento e anulação física dos rastreadores, alta capacidade de redistribuição da mercadoria e logística apurada de trabalho.

Estima-se que a carreta tenha um valor aproximado de R$ 450.000,00 e o total da carga é estimado em  R$ 545.000,00 sendo  240 aparelhos de som e 120 aparelhos de TV LCD ambos  marca sony.

O  Dr. Jorge Moreira da Silva – responsável pela Delegacia de Roubos de Cargas esteve no local e assumiu a ocorrência, encaminhando a carreta, a mercadoria e os detidos para a sede da Delegacia Especializada.

Participaram da ocorrência os seguintes policiais militares: capitão Gerson Ferreira da Silva, tenente Wanderley Alves Moura, sargentos Eberth Martins de Souza, Ivan Nunes da Silva, José Luiz Alves Neto, soldados Rivanildo Rios da Rocha, Sebastião Ferraz da Silva, Cristiano Leão da Silva (operador do copom), Marcos Antônio Maia, César Eugênio Gomes. Diogo Leonardo Queiroz Ribeiro, Thiago Nogueira de Melo, Ademir Batista de Sousa Filho, Willian Braz de Oliveira, Wagner Franco Alcovias e Leandro de Almeida Santos.

FONTE: POLICIA MILITAR DE GOIAS

>(SP) Violência em roubos de cargas

>

Em um dos casos, criminosos usaram artilharia pesada contra a polícia.

Dois caminhoneiros e até vigilantes da escolta armada de um dos carregamentos foram alvos de quadrilhas especializadas em roubos de cargas durante a madrugada e manhã de ontem. O perigo esteve mais próximo, principalmente, de um motorista de Guarulhos, 58 anos. Refém, ele se viu em meio à troca de tiros entre os criminosos e a polícia até ser deixado na zona rural de Limeira. O bando, que também roubou armas durante a ação, revelou-se fortemente armado.

Além da artilharia pesada, os ladrões demonstraram ter preparado toda uma “logística” para roubar um carregamento de cigarros. A quadrilha chegou a utilizar um furgão para transportar os agentes da escolta armada e o motorista, após dominá-los. O roubo das mercadorias acabou frustrado, mas os assaltantes angariaram três armamentos dos vigilantes, além de munições. O crime teve início em Campinas.

A carreta e a escolta foram interceptadas na rodovia Dom Pedro, por volta das 3h30. A princípio, cinco homens armados e encapuzados promoviam o assalto com dois carros pretos – um Honda Civic e um Fiat Marea. Depois, surgiu um Fiat Fiorino baú, onde foram mantidos os dois agentes da escolta, 24 e 29, e o motorista. Dois revólveres 38 e uma escopeta calibre 12 foram roubados dos vigilantes, além dos coletes à prova de bala. Levados até a rodovia Bandeirantes, os agentes acabaram libertados nas imediações do km 80, já durante a manhã. Quanto à carreta, um dos criminosos a conduziu até o km 142, onde a abandonou com a carga por ter sido bloqueada por meio do rastreador via satélite. Também pela manhã, porém, na rodovia Limeira-Cosmópolis, num canavial, policiais militares localizaram um Hyundai I30. Junto ao automóvel, também libertaram o motorista, que estava no porta-malas.

De acordo com a polícia, o carro esteve envolvido no assalto, inclusive fora abandonado na região do km 8, após troca de tiros com policiais. Tanto que o veículo tinha o vidro traseiro todo quebrado e, dentro do automóvel, havia 17 cápsulas de fuzil calibre 762, uma munição intacta ponto 40 e até um giroflex (luminosos utilizados em automóveis da polícia sem identificação descaracterizados).

Suspeitos não foram localizados. Nenhuma das vítimas ficou ferida com o crime. Quanto ao outro roubo de carga, a ação dos criminosos aconteceu em Limeira, na via Anhanguera. Novamente, medicamentos foram visados.

Carregamento de remédios é alvo

Outra carga de medicamentos foi alvo de assalto, ontem, em Limeira. É o segundo caso no mês. Mais R$ 15,5 mil em remédios foram parar nas mãos dos criminosos. Um motorista, 33 anos, levava as mercadorias num Fiat Fiorino quando foi interceptado na via Anhanguera, no início da manhã, na região do bairro do Ferrão, nas proximidades da Unip.

Os ladrões utilizavam um furgão idêntico ao do motorista, que foi obrigado a retornar ao sentido capital e acessar uma estrada de terra que leva à empresa Ripasa, no bairro Lajeado. No local – uma fazenda -, os assaltantes transferiram a carga ao próprio veículo e fugiram, abandonando o motorista.

Ao sair de Nova Odessa, os remédios tinham como destinos farmácias de Rio Claro, Itirapina, São Carlos e Américo Brasiliense. No início do mês, cerca de dez homens promoveram assalto a um carregamento com medicamentos na rodovia Limeira-Cosmópolis, avaliado em R$ 20,6 mil, aproximadamente. (MB)

FONTE: JORNAL DE LIMEIRA

>(SP) Quadrilha rouba quase R$ 1 milhão em prata

>

Assaltantes dominaram seguranças da escolta antes de fugirem com os 542 quilos do metal.

Mais de 500 kg de prata bruta, avaliada em quase R$ 1 milhão, foram roubados na sexta-feira (24) à tarde no km 70 da Rodovia Santos Dumont, em Campinas.

A carga estava no Fiat Doblò da empresa Transportes Yasmin, que estava sendo escoltada por um Fiat Uno da empresa Macor Vigilância e Segurança.

Quatro ocupantes de uma caminhonete S10 abordaram o vigilante Paulo Camilo da Silveira, de 29 anos, e o segurança Nilson Plabio Alves da Silva, de 32 anos, responsáveis pela escolta armada e levaram os dois como reféns.

Enquanto isso, o motorista da carga, Luis Cláudio dos Santos Matos, de 33 anos, foi retirado do veículo por outros dois bandidos que arrombaram o baú com um pé de cabra e, em seguida, abordaram um Fox que passava embaixo do retorno da rodovia em menor velocidade.

Os ocupantes do Fox, o motorista Vilson José de Lima Osório e o passageiro Thales Henrique Santos Ataíde foram obrigados a transferir a carga do Doblò para o carro. Antes de fugirem com a prata os bandidos deixaram Luis, Vilson e Thales presos dentro do baú.

Os seguranças da Macor foram liberados em Sumaré e ligaram para o 190 antes de retornarem ao local do roubo. As vítimas do Dobl|ò e do Fox foram liberadas por um motorista que passava na rodovia. O Fox, a S10 e os bandidos não foram encontrados. A ocorrência foi registrada no 5º DP.
A carga de 542 quilos estava armazenada em 20 caixas de madeira. Das vítimas, foram levados documentos, dois coletes a prova de balas e quatro celulares.

FONTE: RAC

>(MG) Caminhão com escolta armada é roubado próximo ao Parque do Sabiá

>

UBERLÂNDIA, TRIÂNGULO MINEIRO – Um caminhão com escolta armada foi tomado de assalto na noite desta terça-feira (21), próximo ao Parque do Sabiá. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, homens em cinco veículos abordaram o carro de escolta, renderam os seguranças e obrigaram o motorista da carga a parar.

O caminhão carregado de eletrodomésticos foi levado e os seguranças deixados em uma mata. Apesar de possuir sistema de rastreamento, o veículo não foi localizado. O valor da carga é estimado em R$ 350 mil.

Saiba mais durante a programação da TV Vitoriosa.

FONTE: UIPI !

>(RS) Quadrilha utiliza uniformes de vigias para assaltar depósito de empresa na Capital

>

Antes de roubar cigarros e dinheiro, bando atacou seguranças responsáveis por escolta de carga.

Uma sequência de assaltos planejados em detalhes – baseada, possivelmente, em informações privilegiadas – rendeu dinheiro, armas, coletes à prova de balas e uma carga de cigarros avaliada em R$ 800 mil na madrugada de segunda-feira.

O ataque foi liderado por dois falsos vigilantes, vestidos com uniformes roubados dos seguranças que fariam a escolta da carga que seria levada de Porto Alegre para distribuição na Serra.

A ofensiva dos criminosos começou por volta das 2h, quando o bando invadiu a filial da empresa de segurança Special Service, em Cachoeirinha, na Região Metropolitana. Seis criminosos renderam dois vigilantes que chegavam para o trabalho.

As vítimas foram sequestradas e colocadas no porta-malas de um Polo. Os ladrões pegaram tudo que os interessavam no local: armamento – espingardas e armas curtas, cuja quantidade não foi revelada –, colete à prova de balas, uniformes e um Prisma preto, usado para escolta.

Vestidos com a farda da empresa, dois bandidos foram com o Prisma até o depósito da Souza Cruz, no bairro Navegantes, na Capital, como se fossem os verdadeiros vigilantes escalados para escoltar um caminhão que levaria cigarros para Caxias do Sul.

Chegaram juntos com o caminhoneiro e foram recebidos por um funcionário da Souza Cruz. Os bandidos demonstravam conhecimento da rotina de horários e dos procedimentos na empresa.

FONTE: ZERO HORA

>(MG) Caminhões escoltados e carregados com celulares são roubados em MG

>

Quadrilha fortemente armada mostrou audácia ao praticar assalto numa distância de aproximadamente cinco quilômetros do posto da Polícia Rodoviária Federal. Foram roubados dois caminhões que transportavam telefones celulares e estavam sob escolta armada.

A abordagem aconteceu por volta de 18h30 de domingo (8) , na altura do km 199,6 da rodovia BR-050, próximo ao trevo de acesso à cidade de Conquista e ao Distrito Industrial 3.

Segundo as vítimas, os bandidos utilizavam pelo menos três veículos, com três autores em cada um, todos utilizando armamento pesado. O alvo eram dois caminhões que transportavam telefones celulares e, inclusive, utilizavam escolta armada. O roubo aconteceu no sentido Delta-Uberaba.

Um dos caminhões era um Volkswagen 5.140, placas CLU-3572/São José dos Campos (SP), conduzido pelo motorista E.A.C., 56 anos. Este caminhão rodou apenas alguns quilômetros e acabou sendo bloqueado pelo sistema de rastreamento via satélite. O outro veículo, um Volkswagen placas CPI-5563/São José dos Campos, conduzido por J.M.A., 48, teve o sistema danificado, sendo levado pelos assaltantes.

Os bandidos também renderam os dois seguranças que faziam a escolta armada em um veículo Fiat Uno, placas KYF-3336. Deles foram roubados um revólver, uma pistola, uma escopeta, além de dois coletes à prova de balas. Os motoristas e os seguranças foram sequestrados e abandonados na altura do km 735 da BR-262, por volta de 22h, no município de Perdizes. As vítimas conseguiram carona e pediram socorro à PRF de Araxá. Tanto o caminhão quanto o Fiat Uno roubados não foram localizados. O valor da carga não foi divulgado.

Segundo o inspetor Neiva, da PRF, usuários que passavam pelo local ligaram no posto no momento do assalto, pois o caminhão, parado com o pisca-alerta ligado, e um carro parado nas proximidades chamaram a atenção.

As viaturas se deslocaram rapidamente, mas, quando chegaram ao ponto onde o caminhão havia sido abandonado, os assaltantes já haviam desaparecido com as vítimas. Apenas algum tempo depois a PRF conseguiu confirmar que o veículo teria sido alvo de um roubo.

FONTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS VIGILANTES

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.